Foi bom…

Mas está na hora de voltar à realidade.

Que também é muito bom.

E ter momentos destes só depende de nós e da nossa vontade de fugir da rotina.

Como é pai alinhas nas minhas aventuras?

Vamos fugir mais vezes?

Temos é que levar as crianças. 😁

Viva a vida do campo

Legado de várias gerações.

Árvores de fruto…

Oh mãe como eu gosto da vida do campo.

#trapices #vidademãe #mãe #mãededois #mãeblogger #feliz #filhoslindossãoosmeus #mom #mother #maededois #playtime #instaphoto #instamom #motherhood #motheroftwo #talmaetalfilha #mulher #baby #happydays #loveofmylife #happy #vivaavidadocampo #amoras #escurquela

E vocês?

De férias e a aproveitar o tempo disponível para mimar a minha filha que mostra cada vez mais que precisa de mim e da minha atenção.

Ser mãe de dois tem destas coisas…

Nem sempre consigo estar presente para ela.

Se me sinto culpada com isso?

Às vezes sim.

E vocês?

#trapices #vidademae #maededois

Aldeia Colorida

Este ano viemos passar o Natal com os meus pais na aldeia colorida (como a a Madalena lhe chama). Na verdade ela tem razão, esta aldeia é colorida a cada época do ano tem uma coloração diferente. Pois nem os dias chuvosos, de nevoeiro e cheios de frio lhe tiram a cor. As pessoas são muito calorosas, todos se conhecem e tratam-se como se da mesma família fossem. No verão esta aldeia colorida enche-se de pessoas que de alguma forma têm cá raízes, mas é no inverno que ela mantém o seu encanto especial. São poucas as pessoas “de fora” que vêm cá e a aldeia é só dos seus habitantes e dos seus afazeres habituais.

No Natal há a tradição de se acender no Largo da igreja um cepo (na verdade são várias raízes de árvores e lenha velha, o que se arranjar para fazer uma fogueira gigante) e este ano não foi excepção. As pessoas depois de jantar vão um bocadinho até ao cepo, conversar e passar tempo até à hora de abrir as prendas. Assim o fizemos este ano, não havia quase ninguém em volta do cepo… ficamos um bocadinho a conversar e voltamos para casa.

Este é o retrato de uma aldeia em extinção, lembro-me de em miúda haver tantas pessoas em volta do cepo que quase não havia lugar para nos aquecemos. Na minha adolescência lembro-me de querer ficar mais tempo em volta do cepo e ter que vir para casa (porque já só estavam homens e as meninas não podiam ficar). Nesta noite, ou na noite de ano novo onde se torna acender o cepo, os rapazes/homens acabavam sempre por arranjar algo que assar nas brasas. Se não aparecia uma oferta havia algum deles que acabava por ir “roubar” alguma galinha ou coelho a casa da mãe ou da avó. No dia seguinte havia sempre uma história nova.

Hoje em dia, as pessoas já não são assim já não há aquele espírito de comunidade onde todos se juntam até para celebrar o Natal. Aqui neste cantinho no norte do país ainda somos uma família, como tal cabe -nos a nós que temos raízes cá manter esta magia que é a da aldeia colorida.