Ep 6 – As coisas que me incomodam: As barbies e companhia.

Enquanto passeava pelo corredor dos brinquedos num hipermercado encontro estas duas Barbie. Se à primeira vista me pareciam Barbie normais quando lhes peguei, porque gostei da fatiota delas, reparo que estas bonecas não têm as medidas padrão que as Barbies costumam ter.

                

Naquele momento pensei finalmente alguém na Mattel pensou em criar bonecas com outros tipos de corpo. Sempre achei que a Barbie teria dificuldades em se manter de pé e que era super aborrecido as bonecas terem todas o mesmo corpo. Este tipo de brinquedos grava no nosso subconsciente que todos devemos ser iguais e fazer parte de um padrão de peso/altura. Desde pequenas as meninas, enquanto brincam com estas bonecas ao faz de conta, criam o seu futuro eu com base nesta imagem da mulher. Magra, com mamas grandes e bem feitinhas, cintura fina, cabelo penteados perfeitos… Mas a realidade não é essa, nem nunca será! Fui investigar e esta colecção da Barbie Fashionistas tem 7 tipos de corpo e 11 tons de pele diferentes.

Muitos parabéns Mattel as bonecas são lindas, mais ainda porque retratam bem a realidade.

Ep 5 – As coisas que me incomodam: o livro da menina e o livro do menino

Fui comprar um presente para uma amiguinha da Madalena à Fnac e eis que me deparo com 2 livros que me deixaram cheia de comichões. Coisas de menino e coisas de menina! Não julguei os livros logo numa primeira abordagem e na minha inocência achei que a diferença estava só na capa. Pois bem enganei-me! As mensagens que estão nos livros são boas e pretendem passar valores importantes às crianças mas com esta segregação foi tudo pelo cano a baixo.

O pior de tudo é que não é a primeira vez que eu encontro livros deste tipo, já tinha falado nisso uma vez aqui.

Com estas coisas em vez de estarmos a educar os nossos filhos para não verem diferenças entre homem e mulher, estamos a dizer-lhes que é normal haver desigualdade entre homens e mulheres e que há coisas que são só das mulheres e coisas que são só dos homens.

Eu mãe de uma menina e de um menino quero que eles sejam tratados de igual forma independentemente do seu género.

Mas isso sou eu!!!

Ep 4 – As coisas que me incomodam: roupa de menino vs roupa de menina

Related imageAté ser mãe de um rapaz este flagelo passava-me ao lado, porque andava super encantada com o mundo rosa e com as inúmeras opções de roupa existentes. Consegui sempre encontrar alguma coisa que gostasse para vestir à Madalena sem ter que vender um rim. Mas agora a coisa mudou de cenário.

Desde que soube que estava grávida de um rapaz, e que comecei a olhar com outros olhos para a secção de roupa de menino é que me apercebi desta parvoíce. As opções de roupa para menino são MUITO menos, e não precisamos estar a ver com atenção os artigos expostos. Basta olhar para a área ocupada nas lojas para cada um dos géneros, a zona de roupa menina é sempre maior, muitas vezes até acho que chega a ser o dobro.

Já ouvi várias vezes dizer que quem tem filhas meninas gasta mais dinheiro em roupa e eu sempre achei que isso não era bem verdade. Mas agora que me passa pela pele vejo que é verdade. A Madalena nesta fase do campeonato já possuía uma extensa colecção de sapatos e vestidos além daquelas roupas básicas que todos os bebés têm!

Já o Pedro é contemplado apenas com o essencial. E porquê?

Não que eu não tenha procurado por coisas para comprar para ele, mas porque nunca encontrei aquilo que queria (e atente-se que não estou disposta a dar uma pequena fortuna por 50 cm de pano). A desculpa que dou a mim mesma é: “não posso estar a comprar muita coisa porque os bebés crescem muito rápido e ele só vai usar isto 2 ou 3 vezes”.

Fico um bocadinho triste e por vezes frustrada por não encontrar/achar roupas de menino que goste, talvez seja porque ainda estou com o chip de mãe de menina ligado e só fico derretida por vestidos e coisas rosa e brilhantes.

Por haver menos escolha para as roupas de rapaz estamos a dar força ao dizer que mãe de menina vai à falência. Mas podem ficar descansados já fui às compras de roupa para o Pedro e já me desgracei. O miúdo está a crescer a olhos vistos e rapidamente terei que ir novamente às compras.

img-20180914-wa0001.jpeg

Já agora dica para os interessados a Primark está com umas camisolas de manga comprida muito giras e super baratas que tanto dão para menino como para menina. Bem visto as mais bonitas/fixes estão na secção de menino. 😉

Ep 3 – As coisas que me incomodam: barreiras arquitectónicas

Voltar a ter um bebé é muito bom e trás-me uma grande quantidade de boas memórias, mas também me relembra como ficava chateada com a dificuldade em andar a conduzir um carinho de bebé.

Imagem relacionada

Só nos damos conta da dificuldade que é andar a empurrar um carrinho sem ter que dizer meia dúzia de palavrões (nem que seja só mentalmente) quando o temos que fazer. Desengane-se quem pensar que é fácil porque aquilo tem umas rodas todas catitas… Não é só ao andar pelas ruas de paralelos cheia de buracos que é difícil andar a conduzir e que estamos numa versão contemporânea dos jogos sem fronteiras. Reparem que não sou só eu que me queixo já a Pipoca falou neste flagelo um dia destes. Nada disso em todo o lado temos obstáculos: nos centros comerciais o espaço entre lugares de estacionamento é minúsculo e temos que fazer quilómetros para conseguir chegar à entrada; os elevadores existentes nos mesmos são poucos e muitas vezes estão cheios com pessoas que podiam perfeitamente ir pelas escadas rolantes (eu sei que estou a julgar sem saber, mas é o pensamento que me ocorre quando vem o elevador pela terceira vez cheio de pessoas ditas “normais”); os restaurantes têm pouco espaço entre mesas e o carrinho tem que ficar num sítio onde se arrisca a levar com a travessa da carne em cima; os passeios não estão rebaixados e temos que andar a fazer cavalinhos com o carrinho e rezar para que aquilo não se vire… Já não vamos falar das pessoas que estacionam em cima dos passeios e que nos obrigam a ir para a estrada com o carrinho (e no meu caso com outra criança pela mão) correndo o risco de sermos atropelados… um sem número de coisas que cada vez que se esbarram no meu caminho me dão vontade de praguejar… Não o faço em voz alta, mas vou sempre a resmungar…

Mas vamos lá ver as coisa pelo lado positivo com todas estes obstáculos sempre faço um bocado de exercício enquanto passeio o meu filho. Ou seja isto é uma estratégia para as mães voltarem à sua forma pré-gravidez. Só que não!

Ep 2 – As coisas que me incomodam: A missão impossível de trocar fraldas

Mais uma coisa que me incomoda e muito. Já tinha passado por isto com a Madalena e agora passados 4 anos volto a deparar-me com este problema.

Resultado de imagem para diaper changing station

A falta de locais adequados para trocar a fralda às crianças quando estamos fora de casa. Existem poucos locais e os que existem são claramente inadequados. Muitas vezes existe uma plataforma na casa de banho das mulheres, já lá vamos a este ponto, que só se mantém aberta se a criança estiver lá em cima. Há sempre falta de um espaço para pousar os sacos. E tendo em conta que estamos no WC público cheio de tudo o que são germes não é boa ideia pousar os sacos no chão. Usar a plataforma está fora de questão porque muitas vezes o espaço mal dá para a criança quanto mais para os sacos. Toda esta ginástica é muito mais fácil se tivermos a ajuda de outra pessoa. Ora isto é muito bonito mas como os troca fraldas estão na WC das mulheres o pai não pode entrar para ajudar como é óbvio.

Já não chega a pessoa estar preocupada em garantir que a criança não dá com a fuça no chão ainda tem que andar a fazer equilibrismos com as fraldas e toalhetes e cremes e mais sei lá o quê. Agora imaginem isto tudo aliado a uma fralda daquelas explosivas e para as quais precisamos de usar um pacote de toalhetes… Muito bonito sim senhor… e depois para ajudar caixote o lixo está estar sempre a 500 metros de distância.

O ideal seria mais uma vez existir uma sala especifica para o efeito com tudo o que necessitamos para mudar a fralda das crianças, onde tanto a mãe como o pai podem trocar a fralda dos filhos.

Com isto tudo quem se safa de ter que ir mudar uma fralda cagada no meio do almoço quando estamos fora de casa são os maridos, com a desculpa de não posso ir para a casa de banho das mulheres, tens mesmo que ser tu!

Ora f#$%& anda uma pessoa a treinar o marido para ele trocar fraldas e quando precisa que ele o faça arranjam-lhe a desculpa perfeita!