Ser mãe é viver em apneia.

Ontem apanhei um grande susto, daqueles sustos que só as mães apanham e entendem. O dia tinha corrido bem, fomos jantar a casa dos meus pais. A M. esteve a dormir a sesta até a hora de jantar, coisa que nem é costume.

Como o tempo estava bem feio nem ficámos a fazer sala em casa deles e rumamos a casa. Eu e ela de carro ele e o cão a pé. Ela ainda brincou um bocadinho com as coisas dela enquanto eu começava a arrumar a roupa que está para passar a ferro. Chega a hora de ir vestir o pijama e beber o leite e lá vamos nós ao ritual de todos os dias. Ela leva o pijama na mão e dirige-se à minha cama e eu deliciada com as suas conquistas. Brincámos um bocadinho em cima da cama com a colaboração do pai que tem o dom de a fazer rir às gargalhadas apenas por aparecer à porta do quarto,

Dispo-a para trocar a fralda e a roupa e reparo numa mancha vermelha a baixo do peito , comento com ele que diz que deve ser dela ter estado aos saltos em cima da cama que já passava. Depois reparo numa borbulha na zona da barriga. Peço-lhe o fenistil pois pensei que podia ser uma picada de um bicho… Mas não o vermelho aparece no pulso esquerdo e depois num pé. Passaram-se uns 5 minuos nisto e as manchas vermelhas ficam com pontos brancos. PÂNICO o que faço. Pego nela e vou dar-lhe banho. Ele enche a banheira enquanto eu a dispo. Uso só água pois temia que pudesse agravar o quer que seja que ela tivesse. Tiro-a da banheira e quando a estou a secar já tem manchas e pintas brancas nos 2 pés e atrás de uma das orelhas. NEM PENSAR QUE VOU ESPERAR MAIS!!! Vamos para o hospital. Stresso com ele e ele stressa comigo porque não podemos stressar com o “bicho” que está a assombrar a minha M.. E ela ? Ela continua na boa como se não fosse nada com ela.

Chegamos ao hospital está um frio do demo! Que dia!!! Chuva e vento que parecia que nos ia fazer voar para o outro lado do rio.

O senhor do guiché está ao telefone, parece que uma eternidade até que ele desliga. Fazemos a ficha. Stresso com ele e ele comigo. Vamos à triagem a M. assim que vê o enfermeiro começa a gritar e chamar por mim (ai como doi ouvir um filho a chorar… mas desta forma ainda não tinha ouvido, custa mais quando ela alem de chorar chama Mãe como se estivesse a pedir que a livrasse daquele monstro). As manchas continuam a avançar, a mancha maior da barriga desapareceu mas há mais manchas por outras partes do corpo, neste momento ela tem o pescoço todo vermelho por baixo. Ele dá-nos uma pulseira AZUL!!! AZUL?!?!? A miúda a mudar de cor e cheia de manchas e dão-me uma pulseira de pouco urgente. Lá está o meu neurónio a fritar novamente.

Vamos para a sala de espera e ela atrevida como é mete-se com os meninos todos, além da birra do sono não parece dar conta do que se está a passar. Apesar da pulseira azul somos chamados relativamente rápido.

A M. é vista pelo pediatra (isto enquanto chora desalmadamente mais uma vez) ele não tem certeza do que se trata e diz que vai chamar uma colega. Nestes momentos de espera foi como se estivesse com a respiração suspensa. Ele não sabe!?!?! Ai… Será que me estou a tornar hipocondríaca no que se trata a doenças na minha filha. Penso o pior… Eu penso sempre o pior.

Veio a colega e diz que é uma reacção alérgica que lhe iam dar atarax e que ficava em vigilância. Assim foi ela berrou para beber o anti-estamínico mas teve que ser. Passado uma hora, acho que nem sei quanto tempo se passou desde que vi a primeira mancha, reparei que as manchas estavam a desaparecer e que estavam a aparecer outras novas em zonas onde ainda não tinham aparecido. O “bicho” começa a perder a batalha e estava ela a dormir e a pediatra veio ver como ela estava, livre de manchas então deu alta. Passou atarax para tomar 5 dias. Lá vamos nós continuar com a gritaria porque dar-lhe qualquer coisa contra a sua vontade é o terror. És mesmo filha da tua mãe.

A minha tortura continua porque ando aqui às voltas a pensar no que lhe poderá ter causado esta reacção alérgica.

Voltamos para casa, eu stresso com ele e ele comigo. Vamos todos dormir a desejar que estas horas tenham sido apenas uma invenção do Demo.

Mãe sofre e fica em apneia por dias a cada acontecimento destes. Só uma mãe conseguirá entender o que é ter um filho doente e não poder tomar o seu lugar e ficar com todos os bichos que os atormentam. Só uma mãe, um pai sofre mas numa dimensão diferente…

De qualquer das formas obrigada por estares lá!

Hoje mordi a língua

A minha filha deve andar a ler o meu blog.  Queixo-me eu que fim de semana não é sinónimo de dormir até tarde e ela dormiu até às 10h30. E eu também! Obrigado filha estava mesmo a precisar.

Trapista